Motivação constante e apoio às famílias fazem a diferença na quarentena

Motivação constante e apoio às famílias fazem a diferença na quarentena

Matéria especial, publicada em 29 de abril, no site da ABEPAR, associação de escolas particulares de excelência em São Paulo para disseminar as boas práticas pedagógicas e de gestão, destaca o ensino desenvolvido pelo GDV em época de quarentena. Confira a íntegra da matéria.

O Colégio Guilherme Dumont Villares vinha há anos pesquisando e implementando recursos tecnológicos a serviço de seu projeto pedagógico. Quando as atividades não-presenciais tiveram início, em consequência do combate à pandemia do novo coronavírus, o GDV já tinha a confiança dos pais e todo o material didático digital, do 6° ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio, já disponível. Associado à Abepar, o Colégio foi, gradativamente, adaptando-se à nova realidade, recorrendo para isso a diversas plataformas virtuais. 

As atividades não-presenciais começaram no dia 20 de março e já completaram um mês. A diretora geral, Eliana Baptista Pereira Aun, conta que com muita agilidade e determinação os diretores e coordenadores de cada área do conhecimento organizaram com seus professores os materiais para esse novo momento. Desde o princípio, o Google Classroom (aplicativo da Google for Education) foi a principal ferramenta utilizada. “Através desse recurso, demos continuidade ao trabalho, usando todas as possibilidades que ele oferece e nos empenhamos em produzir videoaulas, tutoriais para os pais, gravações e conversas ao vivo”.

Educação Infantil e 1º ano

As principais ações do Colégio neste segmento são a orientação e o apoio aos pais e familiares. O atendimento às famílias acontece desde o primeiro dia e não parou. “Isso tem fortalecido o diálogo, o laço afetivo e a credibilidade entre a escola e as famílias, além de viabilizar o trabalho”, explica a diretora.

“A Educação Infantil e o 1° ano do Fundamental 1 representam os maiores desafios no processo educativo à distância, devido à faixa etária dos alunos, com barreiras muitas vezes intransponíveis”, conta Aun. “Temos procurado fazer com o que os pais saibam a quem recorrer quando sentem alguma dificuldade”.

As atividades são postadas nas plataformas – Portal Educacional e Google Meet – junto com um passo a passo que permite aos familiares entender a proposta. As professoras também gravam vídeos em casa e enviam às crianças, explicando a atividade do dia.  

Antes da paralisação, o Colégio enviou aos pais um kit com materiais de papelaria necessários para as diversas atividades que seriam realizadas em casa. Incluem-se nesse conjunto de atividades vídeos com a professora cantando músicas ou contando histórias, propostas de brincadeira, trabalhos de psicomotricidade, além das dinâmicas para as disciplinas de Educação Física e Inglês. 

Há momentos ainda em que as crianças e a professora reúnem-se via Hangouts – conhecida plataforma de encontros ao vivo – com o auxílio dos pais ou familiares. “Esse é um momento de matar a saudade e de poder ver todos os amiguinhos”, conta a diretora.

Ensino Fundamental e Médio

Nas séries iniciais do Fundamental 1, as crianças ainda estão em fase de transição da Educação Infantil. Por isso, é fundamental que os pais auxiliem bastante nas atividades. Levando isso em conta, o Colégio envia aos pais as propostas de atividades, que eles podem imprimir e, ter assim, acesso ao material físico para facilitar a realização dessas iniciativas, além dos tutoriais de orientação, as videoaulas e as aulas online interativas. 

“Nessas séries, estamos desenvolvendo os objetivos de aprendizagem com estratégias adequadas à realidade do ensino remoto, no sentido de consolidar as matérias que já estavam sendo trabalhadas e que agora estão começando a fluir melhor”, diz Aun. 

Quanto ao Fundamental 2, os alunos já possuíam mais autonomia e estavam bem-encaminhados na utilização das plataformas digitais. A adaptação foi mais fácil para eles. Os tutoriais de orientação, videoaulas, aulas online diárias e momentos no Hangouts continuam, além da realização de pesquisas, experimentos científicos e da utilização de diversas ferramentas necessárias à especificidade de cada disciplina. 

Os alunos do Ensino Médio estavam no mesmo caminho, familiarizados com as ferramentas digitais, o que deu uma fluência maior do processo pedagógico. Os professores estão seguindo o horário de aulas online e plantões, que permitem o contato direto entre o professor e aluno. Nesses momentos, os estudantes trazem dúvidas, que são esclarecidas e dão um sequenciamento aos conteúdos. 

Eles também assistem às aulas via Google Hangouts, participando e interagindo com o professor e com os seus colegas.  O horário de aula foi adaptado, pois “o tempo é diferente quando se está à distância”, explica a diretora. “Por isso colocamos menos horas de manhã e algumas horas à tarde”.

Os alunos também realizam exercícios e trabalhos, que são corrigidos pelos professores. “Estamos dentro da organização curricular proposta pela BNCC e observamos todos os objetivos de aprendizagem usando a tecnologia”, explica Eliana Aun. 

O GDV também já começou a preparar as avaliações, que serão aplicadas em breve para os alunos de 6º ano do Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio. Segundo Aun, é importante que os professores recebam um retorno do desempenho dos alunos, para que possam saber se os objetivos de aprendizagem estão sendo alcançados, “ainda mais agora, quando se realiza um trabalho absolutamente inédito”.

Apoio às famílias e equipe motivada 

Nesse momento, o contato e a proximidade com as famílias são essenciais. Os profissionais do GDV, professores, orientador educacional e equipe tecnológica, estão à disposição para ajudar em qualquer situação de dificuldade do aluno ou da família que impeça a realização do processo ensino aprendizagem. Inclusive, com a realização de Hangouts individuais entre professor e aluno com necessidades especiais. O incentivo aos professores e à equipe é constante. Com o apoio de uns para com os outros e o suporte da direção, a equipe conseguiu superar as dificuldades encontradas num primeiro momento. Frequentemente, são realizadas reuniões ao vivo com os professores e coordenadores, um momento que vai além do planejamento das aulas e que serve também para aproximar e motivar a equipe. “Esse período está sendo, para nós educadores, de enorme aprendizado”, conta Eliana Aun. “Estão todos se empenhando e procurando dar o melhor de si. É uma situação que exige que cada um de nós supere as inseguranças e acredite que é capaz”.