Publicado em 27.02.2019 - Notícias - Sem comentários

IMG-20190227-WA0012_2

Bruno Feitosa, ex-aluno do Colégio Guilherme Dumont Villares, hoje é universitário da Escola Politécnica da USP. Aos 20 anos, o estudante de Engenharia Mecatrônica participou de dois eventos no Vale do Silício, nos Estados Unidos. 

Nas duas oportunidades, Bruno apresentou trabalhos de desenvolvimento de um veículo e da criação de um aplicativo para melhorar a mobilidade urbana, numa grande cidade norte-americana. 

Bruno conseguiu o segundo lugar, em 2018, e representou a USP, novamente, em 2019.    

O GDV foi importante para sua formação?

A minha experiência no GDV foi muito boa. Eu passei quase a vida inteira lá. Ajudou bastante e gostei muito da experiência vivida no colégio. Com certeza, desenvolve bem o conteúdo e aprendizado do aluno. Indicaria o colégio para amigos e conhecidos. Se o colégio não tivesse me preparado, não teria conseguido ingressar na USP. Tenho muito carinho pela escola e acho que os professores sempre foram muito bons. 

Qual foi o evento que você participou, em 2019?

Foi uma competição de empreendedorismo chamada T&M IBPC, organizada por um comitê de várias faculdades, de 02 a 12 de janeiro. Em cada ano, uma dessas faculdades é a sede com as visitas técnicas e o evento em si. Nesse último evento, a organizadora foi a faculdade de Illinois. Em janeiro de 2020, será na USP, em São Paulo. Juntam-se alunos de várias faculdades do mundo. No meu caso, eram a USP, Universidade de Hong Kong, Bayreuth da Alemanha e Universidade de Illinois, nos Estados Unidos. Os organizadores misturaram as equipes com alunos de diferentes faculdades e tínhamos nove dias para desenvolver um projeto. 

Qual foi o projeto desenvolvido por você?

O tema da competição era resolver o problema de mobilidade da cidade de San Francisco. Então, você tinha que desenvolver uma ideia de empresa e um modelo de negócios, da forma que resolvesse o problema do trânsito na cidade. Minha equipe trabalhou na criação de um aplicativo que funcionasse como Waze ou Google Maps, que levasse você ao lugar que você gostaria e que fosse capaz por sensores colocados nas ruas e lugares de mais movimento, informando em tempo real onde houvessem vagas disponíveis e já te levando direto a essa vaga, para você estacionar na rua. 

Por que você foi escolhido para participar deste evento?

Foi feito um processo seletivo, através de inscrição, com envio de currículo e entrevistas. Eu imagino que eu tenha sido escolhido porque eu já trabalhei em outro projeto relacionado à mobilidade, que a gente foi para os EUA com uma outra equipe da USP. Então, eu já tinha experiência com esse assunto. Em julho de 2018, a gente foi apresentar um veículo que a gente desenvolveu em uma competição chamada Pace, da General Motors, na sede da empresa, em Detroit. Ficamos em segundo lugar. Recebemos certificado e a faculdade recebeu um valor em dinheiro. 

Bruno foi aluno do GDV por 13 anos e tem dois irmãos estudando no GDV. João Pedro terminou o 3º ano do ensino médio e Maria Luísa cursa o 7º do ensino fundamental.