Publicado em 28.05.2018 - Em sala de aula - Sem comentários

Buscar provocar o aluno a estabelecer relação entre as características do trabalho científico e o seu aprendizado, fazendo conexão entre o conceito construído e seu contexto de vida, favorecer o envolvimento dos alunos em atividades repletas de significados e ajudar os alunos a vivenciar a experiência de construir os seus conhecimentos, partindo de suas hipóteses prévias, baseadas em suas vivências foram alguns dos ganhos obtidos pela turma do 6.º ano do Ensino Fundamental II em uma interessante atividade na aula de Ciências.

8

Numa experiência envolvendo Química, trabalhou-se os conceitos de indicador de pH, substâncias ácidas, básicas e neutras e reação de neutralização de uma forma bem simples e lúdica. Após compreenderem como medir o pH através da utilização do suco de repolho roxo o desafio consistiu em descobrir se uma determinada substância (aparentemente inofensiva, pois parecia água) poderia ser perigosa. Para isso era necessário ter compreendido todo processo do experimento. Aprendido o conteúdo, ele foi relacionado com situações do cotidiano, como o tratamento da água da piscina e aquário, a sensação de queimação no estômago, picadas de alguns insetos, chuva ácida, etc.

9

Segundo o professor Eduardo Machado, de Ciências, “o objetivo foi fazer com que o aluno pensasse como um cientista, ou seja, observasse e identificasse um problema, elaborasse hipóteses, experimentasse, obtivesse resultados e conseguisse chegar à uma explicação através do esforço individual e coletivo e da mediação do professor.”

2     7

1                 5

Experimento: Arco-Íris de pH.